Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de julho de 2022

O forte do Cabo Bretão

Durante a Guerra dos Sete Anos(1756-1763), uma fortaleza nas Américas na Nova Escócia, em território canadense, conseguiria resistir a vários ataques ingleses. Era forte da Ilha Roayle, mais tarde chamada Ilha do Cabo Bretão.

Construída em 1713, durante a Guerra de Sucessão Espanhola(1701-1714), a fortaleza representou um marco da resistência francesa nas Américas. Esta guerra opunha praticamente toda a Europa contra franceses e espanhóis, por um medo europeu de uma aliança franco-espanhola, com a ascensão de Felipe D'Anjou(se tornaria Felipe V da Espanha) ao trono espanhol, após o rei Carlos II da Espanha morrer sem herdeiros diretos.

A Guerra de Sucessão Espanhola foi vencida pela França e a Espanha, mas deixou ambas bem destruídas. A Espanha perdeu sua hegemonia para sempre. E a França ainda teria problemas mais sérios à frente. Foi uma guerra onde se tentou frear a ambição megalomaníaca de Luís XIV, no geral sem sucesso por parte do continente europeu.

Ao término da Guerra de Sucessão Espanhola em 1714, os conflitos entre ingleses e franceses continuaram nas Américas. O forte do Cabo Bretão permanecia firme e forte em mãos francesas. Mas a Inglaterra era a melhor marinha do mundo, sendo assim eles travavam os navios franceses, com reforços atravessando o Atlântico. Em 1748 ele seria cedido à França pelo Tratado de Aix-la-Chapelle.

Em 1756 começou a Guerra dos Sete Anos(1756-1763), em que não só atingiu todo continente europeu, mas também Ásia, África e América do Norte. Antes de lados opostos, agora França e Áustria seriam aliadas num pacto anti Protestante, contra a Prússia e a Inglaterra. Porém, na prática, foi o rei Frederico II da Prússia sozinho contra Áustria(e depois a Rússia) em solo europeu. Isso porque França e Inglaterra resolveram concentrar seus esforços nas batalhas das colônias da Índia e da América do Norte.

Sabendo do pacto franco-austriaco, a Inglaterra firmou o Tratado de Westminster com a Prússia de Frederico II. Mas a ajuda inglesa era resumida a poucas tropas e empréstimos financeiros ao rei prussiano. Na prática, em território europeu, Frederico II estava sozinho.

Frederico conseguiu grandes vitórias porque possuía excelentes generais. Além disso, a França procurou defender suas colônias nas Américas, contra os ataques ingleses. Mas perderam definitivamente a Índia e, em 1758, perderam o forte Roayle para os britânicos definitivamente.

O Tratado de Paris, em 1763, dava vitória à aliança anglo-prussiana. E também entregava definitivamente o forte do Cabo Bretão aos ingleses.

Encerrada a Guerra dos Sete Anos, as consequências viriam para vencidos e vencedores. A França ainda ajudaria os revoltosos colonos da América contra os ingleses em 1781. Mas a ajuda sairia cara, com a queda da monarquia francesa e a instauração da Revolução Francesa em 1789. Já o império Britânico sairia exausto de todas as guerras do século XVIII, mesmo tendo ganho a Índia e o Canadá dos franceses. Sua exaustão seria a porta aberta para a independência de uma de suas colônias, que logo se tornaria a maior potência militar do planeta: Os Estados Unidos da América! Mas isso já é outra história…

segunda-feira, 11 de julho de 2022

Há meio século atrás

Hoje faço meio século de idade. Já é metade de um transcurso de uma vida, muitas vezes desperdiçada, muitas vezes vivida. Sinceramente, tenho um pouco de inveja da geração atual, que tem um mundo mais livre à sua frente, não tendo que lidar com as matutices do passado, ao estilo anos 70, anos 80. Naquela época, muitas coisas hoje aceitas, foram rejeitadas. Era o mundo do "politicamente incorreto", como muitos hoje têm saudades. Eu não tenho. A antiguidade cultural cobra seu preço. Os tempos mais sombrios, enegrecidos pelo fantasma da religião e seus dogmas, do achar que esses dogmas cabem não só as pessoas que professam aquela fé, mas a toda sociedade civil. Esses dogmas se misturam a medicina, psicologia e educação. Trazem benefícios e transtornos para as pessoas que são afetadas por isso. Quantas e quantas vezes vemos vídeos na internet que buscam a nostalgia de tempos passados. E a maioria vem de pessoas nascidas nos anos 80, no mínimo, ou anos 90. Poucos que nasceram nos anos 60 e 70 comentam tais coisas, pois sabem o quanto era difícil. Pessoas eram expulsas de escolas e ambientes de trabalho, por coisas que hoje se curariam com remédios ou psicoterapia. Enfim, o passado nunca foi o ideal para quem vislumbra o futuro.

Quando atingi os meus 12 anos de idade fui colocado, contra a vontade, numa psicoterapia e, para pegar uma espécie de atestado de sanidade mental, frequentei a mesma para ter permissão de continuar na escola. Um dia essa violência há de ser corrigida. Foi exigido de mim que eu conquistasse uma companheira, condição sine qua non que seria parte das exigências requeridas de qualquer homem. Isso fez eu arrumar minha primeira namorada aos 16 anos, que era uma amiga de infância. O namoro só durou enquanto havia paciência contra o preconceito(que era muito forte nos anos 80). Mas preconceito contra o quê? Talvez contra os nerds, os anti sociais da época. Essas coisas não eram bem aceitas no Brasil da época. Hoje estão mais light nesse quesito. Quando terminou a terapia, o namoro terminou em seguida, pois um só existia por causa do outro. Um ano depois, eu entrei no relacionamento amoroso mais fantástico(e tenso) da minha história. Este deixaria marcas que fariam eu me achegar a Deus, pois a separação foi muito traumática, com interrupção de amizade e tudo. Nunca mais a vi, até hoje, 32 anos depois.

Nesta mesma época, um amigo da esfera religiosa, e hábil em matérias exatas, fez com que eu me tornasse conservador, tanto na economia como nos costumes. Na época, ganhei admiração por homens como Edmund Burke(1729-1797), Russel Kirk(1918-1994) e Leo Strauss(1899-1973), um conservador teuto-americano que era absolutamente anti-Maquiavel. Uma coisa que eu jamais seria hoje em dia. O meu conservadorismo só duraria até dois ou três anos depois, quando percebi que a igreja tirava proveito disso por sua própria covardia. O cristianismo não só tinha medo que a esquerda assumisse o poder, mas também temia os liberais. Nestes dois ou três anos eu seria militante convicto. Assisti fitas VHS(quem lembra disso?) com palestras de Yuri Bezmenov(1939-1993), um ex agente russo da KGB, refugiado, e asilado, no Canadá, que falava sobre Nova Ordem Mundial e Marxismo Cultural. Praticamente deixei de ser conservador na morte dele. Se ele soubesse de vários trumpistas, hoje em dia, dizendo que Vladimir Putin é conservador, com certeza se reviraria no túmulo.

Meu estilo de vida era de um conservador até 1993. Estudei num colégio da FAB de 1985 até 1988. Vi o esqueleto do então caça AMX-1 na Base Aérea dos Afonsos, antes de ser montado. Isso em 1987 e 1988. Era vidrado em biologia molecular e história medieval, assim como comecei a me aplicar em Física termodinâmica e Teologia sistemática. Nada poderia mudar este curso da história. Mas mudou.

Em 1995 eu mudaria para o interior do estado do Rio de Janeiro, no distrito de Cabuçu, baixada fluminense. Ali a população não conhecera a minha história anterior. Não tinha porque contar que havia sido banido da escola de Teologia por ser darwinista, ou que já não era mais conservador desde 1993. A vida de todos mudam, e a minha não seria diferente. Neste novo contexto tive dois relacionamentos: O primeiro que me deu minha filha e o segundo que durou longos 15 anos, no qual as marcas duram até hoje. Os anos na baixada fluminense foram passando e as tensões ficando mais intensas, por causa do meu comportamento eclético. Em 2007 eu descobri a Internet. De primeira, eu usava para pesquisar história e geografia do leste e norte da Europa, assim como sua história medieval e as ciências de engenharia genética do norte da Europa. Comecei a dar asas à modernidade de novo, após 14 anos fora da cidade grande. Em 2009, quando já estava no quarto ano do meu quarto relacionamento, conheci aquela que seria minha primeira rede social na vida: O Bolsa de Mulher ! Ali aprendi a colocar minhas palavras em textos, e adquiri até hoje o hábito da escrita. Ali descobri minha frase sobre liberdade, mas também foi devido a isso que meu último relacionamento ruiu como um castelo de cartas. Não me arrependo. Eu falo do (hoje já extinto) Bolsa de Mulher, site idealizado pela empresária gaúcha de mídias sociais Andiara Petterle, como o lugar onde conheci muitas amigas que durante muito tempo,que fizeram grande diferença na minha vida. Frequentei o site Bolsa de Mulher durante cinco anos. Mudou minha meta de vida. Tanto que em 2012 entrei para a faculdade, num campus de Química do IFRJ, em Duque de Caxias(RJ), mas nada substitui o Bolsa de Mulher como aprendizado filosófico de vida.

Na própria faculdade, eu teria como aplicar grandes conhecimentos que ganhei nos longos anos de autodidata na baixada fluminense. Ali no campus do IFRJ eu ganhei mais experiência nas artes do debate, mas nada que se equivalesse ao Bolsa. Porém a guerra cultural que ganhava corpo no Brasil iria exigir de mim a aplicação em breve de todo esse aprendizado. Guerra esta em que os conservadores fazem igual a extrema esquerda fazia no passado, demonizando qualquer um que não seja conservador, até mesmo os liberais, os quais muitos conservadores chamam de idiotas úteis. Uma guerra que vitimou um bom homem chamado Marcelo Arruda, no Paraná. Um homem que estava comemorando seus 50 anos, como eu hoje, mas que nem na vizinhança podia fazer isso, pois estava sob ameaça esquizofrênica constante.

Após o encerramento do Bolsa de Mulher em 2014, alastrei esse conhecimento para as demais redes sociais, para a faculdade e para a Igreja. Comecei a ter problemas, com destaque para as amizades da igreja e o meu relacionamento amoroso, que começou a ruir. Não demorou muito e comecei a ser cancelado pelo mundo cristão. Mas isso não era tudo. Meu Facebook virou um campo de batalha, onde tive postagens minhas que apareceram 400 respostas. Uma guerra sem fim, onde conhecidos e desconhecidos me xingavam de tudo que é nome. O prejuízo foi tanto que resolvi encerrar a conta definitivamente do meu 1° Facebook em dezembro de 2018. Mas tirei um lucro disso. Em um dos meus mais bizarros debates no Facebook na página de uma amiga, uma outra pessoa vislumbrou meu perfil me enviou convite pelo WhatsApp. Isso aconteceu no entardecer do meu perfil do Facebook, antes de encerrar com ele de vez. Era uma nova amiga que surgiu em minha vida para os tempos que viriam, que me acompanhou na pandemia, e nos momentos de maiores confissões mútuas. Tanto que, mesmo um novo relacionamento que eu tenha, não pensaria que a nova pessoa não a aceitasse no meu círculo de amizades.

No início de 2020, eu deixei a baixada fluminense depois de 25 anos. Relacionamento amoroso terminado(e quase a amizade também), várias amizades abaladas pelos choques que tiveram comigo, embora algumas amizades ainda se encerraram. Em 2019 eu fiz um novo perfil de Facebook, e em 2020 criei também um perfil no Twitter. Tudo isso era um prenúncio de uma nova estrada, e a certeza absoluta de que nada do mundo conservador vale a pena. É uma luta inglória onde todos chamam todos de traidores, quando a coisa aperta. Por isso que não trouxe várias daquelas amizades cristãs para este novo perfil. Só minha nova amiga basta neste contexto. Uma amizade que me apareceu no entardecer da vida, para instruir nas vozes da experiência. No perfil antigo, tanto atacava ideias, como fui atacado. Os conflitos de ideias aconteciam. Agora sou da paz. Mas essa paz tem um preço. E não preciso dar satisfações para aqueles que me tinham como 'apóstata' ou 'blasfemo' do cristianismo. Não necessito mais explicar tais coisas a pessoas que parecem ter um raciocínio roceiro.

Sou protestante anabatista. Se alguém quiser, explico historicamente a origem disso. Quanto a "ser de esquerda" ou "ser de direita", não creio mais nessas definições, pois colocaram pautas morais nelas, coisa que faria o próprio Voltaire se virar no túmulo. Sou livre dessas amarras. Minha visão de século XXI vai bem mais longe. Termino esse texto com a frase que criei no Bolsa de Mulher no final de 2010, a qual serviu de molde para o resto da minha vida natural : Nenhuma união vale o preço da minha liberdade!

sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

A Sereníssima República de Veneza: Dezesseis séculos da rainha do Adriático

Quem nunca ouviu falar dos canais de Veneza? A sereníssima república italiana que já foi sede da maior frota naval do mundo, em fins da idade média e início da idade moderna? Neste ano, que se completam dezesseis séculos de sua fundação(de acordo com a tradição cristã), além de 450 anos da famosa Batalha de Lepanto, este texto vem tratar de sua história, assim como seus dias de glória.

Até a fundação da República da Itália, no final do século XIX, Veneza era uma república independente que foi o nascedouro das maiores riquezas do ocidente. Fazendo alianças com muitos no decorrer da História, desde ligas católicas até sultões turcos, Veneza era prática em suas políticas e alianças. Tanto que participou da Quarta Cruzada, invadindo Constantinopla e deixando mais frágil o cristianismo ocidental e oriental, em relação ao mundo islâmico. Não havia limites para suas políticas de alianças. Seus personagens compatriotas foram heróis ou polêmicos. Desde o viajante Marco Polo do século XIII, até o galanteador Giacomo Casanova, no século XVIII. Veneza desde muito tempo já era a rainha do mediterrâneo e do Adriático.

Veneza desenvolveu-se ao longo do Grande Canal. De um lado a outro, era antes uma lacuna de quase 60 mil hectares, com 90% recoberto por água. Ali, habitantes de Pádua e Áquila se refugiaram dos ataques de godos e lombardos nos séculos V e VI, quando, pela tradição histórica e religiosa, foi fundada.

Veneza foi, tradicionalmente, fundada em 25 de março do ano 421, quando teria sido colocada a primeira pedra de fundação da igreja de San Giacomo di Rialto, na principal ilha da cidade. Isso é objeto de controvérsia histórica até hoje. Em pleno século XVIII, Veneza possuía cerca de 118 ilhas, 170 canais e é interligada por mais de 400 pontes.

Numa época de invasões bárbaras, a cidade marítima parecia um refúgio certeiro. Por volta do século XVIII já contava com 70 igrejas. Isto numa época pós reforma Protestante e pós Concílio de Trento, que tentou frear o culto de relíquias, onde se sabia que o corpo de São Marcos teria sido trazido do Egito até Veneza no século IX.

Durante a idade média, a Veneza católica fez comércio com quem pôde: Judeus, árabes, turcos, chineses e mongóis. Tudo em nome do capital. O viajante Marco Polo, e seus parentes, tiveram o empreendedorismo de viajar à China no século XIII. Mas eles foram os primeiros europeus a pisarem na China? Não. Desde pequenos aprendemos que o primeiro europeu a pisar na China foi Marco Polo, mas não foi. O primeiro europeu a pisar na China foi o mercador judeu italiano chamado Jacob D'Ancona. Ele esteve na China ainda sob a dinastia Song, vindo a mesma cair sob o ataque dos mongóis. Escreveu o livro chamado Cidade da Luz, de relatos do oriente bem mais precisos que o veneziano Marco Polo.

Durante a baixa idade média, Veneza alianças e quebra de alianças com muitos, ao sabor de seu comércio. Teve mercadores como Romano Mariano, que desenvolveu atos lucrativos, e tensos, com o império bizantino. Participou da coroação de deposição de vários imperadores de Bizâncio, tomou parte do saque de Constantinopla em 1204, e também de Zara na região dálmata. Como o imperador foi deposto, e o que assumiu não queria negócios com o ocidente, então o pacto com Bizâncio foi quebrado. Veneza socorreu os turcos sobrevivente da batalha perdida contra os mongóis de Tamerlão e, principalmente, compôs a maior parte da frota da Batalha de Lepanto(1571), com a chamada Santa Liga, que se formou para vencer os turcos, após longas ameaças piratas turcas no mediterrâneo. Ou seja, Veneza podia ser comercial, ou guerreira, quando queria.

Os primeiros doges de Veneza eram colocados pelo império bizantino. Depois o cargo passou a ser eletivo. No início do século XVI, Veneza possuía um arsenal naval de fazer inveja, só superado por Portugal. Mas o esquema de montagem era o que chamava a atenção. Empregava cerca de 5 mil trabalhadores e 150 embarcações. Os mastros e demais partes eram numerados, para facilitar a montagem rápida, no caso de um ataque à República.

Veneza teve várias peculiaridades em meio a península italiana. O Carnaval de Veneza, por exemplo, é bem mais extenso e longo que o Carnaval que temos hoje, que é fruto da Roma pagã, anterior às conversões Cristãs. O Carnaval veneziano teve origem no século XI, no governo do doge Vitale Falier(1084-1096). Nos séculos seguintes teria personagens nada ortodoxos(mas paradoxalmente bem conservadores) como Giacomo Casanova(1725-1798), conhecido graças a sua obra Memórias em 12 volumes, como um dos mais libertinos da História.

No século XVIII e, com o advento de Napoleão Bonaparte, Veneza só era uma sombra do que havia sido. Passou a ser objeto de disputas entre os franceses e o Império austríaco. Houve tentativas de incorporação da República por parte de potências franco-austríacas, isso até o Tratado de Veneza em 1866, quando a República foi incorporada à recém unificada nação italiana.

Veneza se manteve independente enquanto pôde. Até ver que seria muito melhor estar incorporada a uma nação recém formada. Sendo assim, a glória da antiga rainha do Adriático seria incorporada às glórias unificadoras de Giuseppe Garibaldi…

Leão de São Marcos, em Veneza

Referências Bibliográficas

1. HOQUET, Jean-Claude. A serenísssima república de Veneza:Mil anos de prosperidade e esplendor. Ensaio: A República onde os mercadores eram heróis, São Paulo. Ano I, nº9. Julho de 2004.
2. História de Veneza, a Sereníssima: https://www.youtube.com/watch?v=Ap4xPhSggcU&t=6322s

terça-feira, 30 de novembro de 2021

A FERRO E SANGUE ÀS MARGENS DO RENO

Quando estudamos sobre povos germânicos, nem fazemos ideia da dimensão que envolve este nome. Este ano se recorda os 150 anos de fundação da nação alemã. Quando nasceu esse país que hoje chamamos de Alemanha? Esse país, com esse nome, sempre existiu? É óbvio que não.

Em história, nem tudo é o que parece. O que existia no passado, desde tempos remotos, eram povos germânicos, que em sua maioria vieram da região de Gotland. Esta seria a região que se estende desde Malmo, ao sul, até aos lagos setentrionais Vener e Veter. O Veter delimita a separação entre Ostergotland(gotland do leste) e Vastergotland(gotland do oeste). Daí os nomes de alguns povos germânicos Ostrogodos(godos do leste) e Visigodos(godos do oeste). Praticamente todas as fontes primárias que temos, a nível de documentação, sobre os povos germânicos, vieram de gregos ou romanos. O termo bárbaro, por exemplo, veio do modo como os gregos chamavam esses povos. Como falavam um idioma não conhecido por eles, assim os greco-latinos os apelidavam.

Entre os grupos germânicos que dividiram a Europa entre si, se destacam os Alamanos, ou Allemanni, como diriam os antigos romanos. E também os francos. Desses dois povos, principalmente, que surgiria a futura nação alemã, além de pequenas contribuições de saxões, bávaros, suevos e teutões. O significado do nome, que aparece em sua forma latina Alamanni, e mais tarde também Alemanni em 289 d.C., é, de acordo com a visão germanista predominante, uma combinação do germânico ala- "todos" e manōn- "homem, homem". No entanto, o significado original desta composição é controverso. Muito provavelmente é a nomeação de "em aventuras bélicas uma nova tribo", que "se autodenominava Alemanni (ou era chamada assim) porque quebrou as antigas conexões tribais e estava aberta a todos que quisessem participar". Esta interpretação é apoiada pela interpretação do historiador romano Asinius Quadratus , que explica o nome como "pessoas que se juntaram e se misturaram". O surgimento dos Alemanni pode ser visto como um crescimento conjunto de seguidores, grupos familiares e pessoas individuais de diferentes origens. Outra interpretação do nome diz que "todas as pessoas", no sentido de "pessoas inteiras", "pessoas plenas", significava que a designação servia para representar todos os povos germânicos.

A história alemã, em princípio, se mistura não só com os franceses, mas com os austríacos. O termo "Suábia"(que remonta aos Suevos, mencionados nas primeiras fontes romanas) desenvolveu-se como sinônimo de "Alemanni" ou "Alemannien", no final da Idade antiga, e os substituiu no decorrer da Idade Média. O termo suábios seria, no decorrer da idade média, usado para designar os austríacos.

A queda do império romano foi causada por uma série de fatores(entre os quais o gigantismo do império) que apareceram a partir do século III. Crises de generais militares das legiões no poder. Após a morte do imperador Alexandre Severo, em 235 d.C., generais se alternavam no poder. Mas a disputa era letal: Em 50 anos houve 43 imperadores, donde 37 pereceram de morte violenta. Enquanto isso, na Bretanha, as legiões seriam retiradas por mais um general que queria se tornar imperador. Quando o dito cujo deu com os burros n'água, os bretões se cansaram e abriram mão de Roma, se tornando independentes. Parecia ousadia demais dos bretões. E era mesmo. Logo a maré germânica iria devorar a Ilha também. Até o final do século V, toda a Europa estaria dividida entre os vários povos bárbaros que invadiram o império. A maioria germânica, vinda do norte da Europa.

A partir do final do século V a Europa já não era mais romana. Vários grupos repartiram o continente entre si, mas dois grupos, em particular, seriam a base dos alemães, além dos suábios: Os Allemanni e os Francos. Destes dois nasceriam a Alemanha e a França do futuro.

Nem sempre a repartição dos países europeus que conhecemos hoje foi assim. Quando o reino franco do rei Clóvis se sobrepôs ao reino Visigodo da Península Ibérica, durante o século VI, a França de hoje ainda não existia. O reino franco se dividia em Nêustria, Austrásia, Suábia(mãe da Áustria atual), Borgonha(anterior terra dos burgúndios, que se tornaram vassalos dos francos), Provença e Turíngia(mais tarde foi incorporado ao território alemão). Os Alamanos se fixaram na Suábia, o que faz de alemães e austríacos, conterrâneos. Mas também estes eram vassalos dos francos. Na verdade, depois que os francos, durante o O reinado de Clóvis, superaram os Visigodos, praticamente todos os povos germânicos seriam seus vassalos.

Foi preciso esperar toda a dinastia Merovíngia passar para os francos serem, finalmente, o maior reino da alta idade média. No século VIII subia ao trono franco um nome que iria virar lenda: Carlos Magno! Um gigante para sua época, tanto em altura, como em ousadia. Analfabeto até os 32 anos, porém desenvolveu o maior renascimento cultural de toda a idade média, só perdendo para o que ocorreu do século XIV em diante, a partir das repúblicas italianas. Seu reinado, que cobriria as atuais regiões da França, Alemanha, Países Baixos, Hungria, Itália, Áustria e parte da Espanha. Foi o pai da Europa, sem dúvida. Mas aqui trataremos dele como pai da futura nação germânica. Sua própria capital imperial, conhecida na época como Aix-la-Chapelle, em território belga, hoje a cidade de Aachen, se localiza na atual Alemanha. Porém a Alemanha que conhecemos ainda não existia. Como território definido estava perto de brotar. Mas como nação ainda levaria cerca de onze séculos.

Na morte de Carlos Magno, no ano 814, e ascensão de seu filho Luís(chamado o piedoso) o império franco se enfraquece. Os três filhos de Luís repartiram o império após a sua morte. Lotário, filho mais velho de Luís, se autodeclarou herdeiro, por ser o mais velho, mas seus dois irmãos não aceitaram e dividiram o império em três. Carlos, o calvo; Luís, o germânico e Lotário assinaram o Tratado de Verdun em 843, repartindo o reino entre eles. Lotário I herdou a parte central, Carlos a francia ocidental(que viria a ser a França) e Luís a Frância(ou Francônia) oriental, que viria a ser a futura Alemanha, que na idade média seria o Sacro Império Romano.

Do tratado de Verdun nasceu a Francônia Oriental. Mas esse país, e Reino, só viria a ser plenamente dividido a partir do ano 911, quando sobe ao poder Conrado I da Francônia. Aqui, pela primeira vez, a Francônia Oriental se tornou separada do império Carolíngio como o conhecíamos, para virar o Sacro Império Romano, só deixando de existir em 1806, por causa da expansão imperialista de Napoleão Bonaparte.

Desde a morte de Carlos Magno que o poder real das monarquias medievais vinha caindo. E tudo isso se iniciou com o império franco. Após o Tratado de Verdun, já no ano 877, o rei Carlos, o calvo, baixou a capitular de Quirzy-sur-Oise, que estabelecia o princípio de hereditariedade dos feudos. Isso foi um golpe nas monarquias dos reinos francos. E Carlos talvez só o tenha feito por pressão dos nobres, pois já estava próximo a sua morte. E tal medida atingiu, também, o reino germânico do chamado Sacro Império Romano, que já nasceu transformado.

Extinta a dinastia Carolíngia do reino germânico a partir do ano 911, o chamado Sacro Império Romano nasceu ali. Os duques germânicos da Francônia, Saxônia, Suábia e Baviera fundaram uma monarquia efetiva, onde o imperador seria um dos duques, eleito pelos outros três.

Mas surpresas para o dito imperador ainda viriam. Este tinha o poder de escolher os bispos alemães. Desde Oto I que o imperador investia bispos e abades de terras, pois assim tinha controle sobre os duques que o elegeram. Assim, o clero alemão formava dois terços das terras do império, fornecendo ao imperador tropas e dinheiro suficiente para não depender do controle dos duques. Além disso, poderia escolher até o papa. Porém o papa Nicolau II fundou o colégio dos cardeais no século XI. Este passou a ter o poder de eleger os papas, sendo este o primeiro golpe nos imperadores alemães. O imperador Henrique IV encrencou com isso, na chamada Querela das Investiduras, sobre o poder que teria o imperador de investir bispos e o papa. Isso gerou uma crise entre o imperador e o papa Gregório VII. Esse conflito durou até 1122, com a Concordata de Worms, onde o papa ficaria com a investidura espiritual dos bispos, e o imperador com a investidura secular. A eleição do papa ficaria restrita ao colégio de cardeais.

Com todas essas transformações, o sistema de eleição clerical dos imperadores germânicos chegaria ao fim. Os bispos alemães não seriam mais funcionários do estado, mas sim vassalos do império. Ao mesmo tempo que grandes partes das terras alemãs passaram para o controle da igreja, pois os bispos não as devolveram ao imperador. Sem controle sobre os bispos, os imperadores alemães perderam controle sobre os duques. E assim o chamdado Sacro Império Romano Germânico seguiria fragmentado por toda a idade média.

No século XIII ascendeu, na Europa central, uma dinastia originaria do cantão suíço de Argovia, numa ruína castelar, próximo a um afluente do Reno. Uma dinastia que governaria na Europa Central até a 1ª guerra mundial: Os habsburgos! Aqui iniciou o reinado, no Sacro Império Romano, Rodolfo Habsburgo, que curiosamente nunca foi coroado imperador pelo papa. Eleito pelos príncipes eleitores do Império, fez valer a neutralidade religiosa em relação ao papa, que imperadores anteriores sonharam. Um Império que, segundo Voltaire, não era nem sacro, nem império, nem romano. Ao menos esta seria a impressão que o maior Império europeu passava em pleno século XVIII. Mas na idade média isso não era previsível.

No século XVI o Sacro Império Romano se tornou aquele que, literalmente, o sol nunca se punha, como se dizia na época. Com Espanha e suas colônias,das Antilhas às Filipinas, estendiam o império a longas vistas. Ainda tinha a Alemanha(que ainda não existia com nesse nome, ou país), Áustria, Hungria e Europa Central em geral sob os tentáculos dos Habsburgos, que alcançaram sua glória através de laços de casamentos.

Nesta época houve um detalhe que golpeou a glória dos habsburgos no coração: A Reforma Protestante! O imperador Carlos V tentou deter seu ímpeto, mas o protesto dos Príncipes convertidos, principalmente Maurício da Saxônia, que cercou o castelo do imperador, fazendo o mesmo fugir no meio da noite, não permitiu que os objetivos de um imperador católico fossem alcançados. E ainda havia os turcos. Uma maré otomana começou a invadir a Europa, inclusive sitiando Viena, coração do império. O protestantismo era a menor das preocupações do imperador, que morreu na metade do século XVI sem conseguir a tão sonhada unidade religiosa, que naquela época era união política. É bom lembrar que na idade moderna não havia essa noção de estado laico como hoje conhecemos. Acomodações eram possíveis, mas tolerância religiosa era pedir demais ao povo daquela época.

O golpe fatal na aparente unidade do Sacro Império foi a Guerra dos Trinta Anos(1618-1648). Esta guerra terminou com a vitória Protestante e da França católica, onde esta estava dirigida pelo cardeal Richelieu, um católico que não viu nenhum problema em se aliar aos protestantes só para derrubar os habsburgos. O resultado final, com derrota não só para os católicos, como para o Sacro Império, trouxe 20 milhões de mortos que a Europa central e o Sacro Império só conseguiram recuperar cem anos depois. Esfacelou a unidade política e religiosa do imperador, fazendo uma Europa central dividida entre os poderes das casas dos Habsburgos e dos Hohenzollern. Deixou marcas profundas no território alemão, com traumas que se fizeram sentir até a ascensão do Terceiro Reich.

No século XVI a Reforma Protestante daria à nação alemã um grande passo em sua formação. Como fruto da Reforma, nasce o ducado da Prússia. Este seria o primeiro principado protestante da História. Alberto, que foi o 37° grão mestre dos cavaleiros teutônicos, fundou o ducado como um estado luterano, através do Tratado de Cracóvia, em 1525, após a sua conversão. Este principado duraria até meados do século XVII, quando deu origem ao Reino da Prússia, que seria fundamental para a unificação alemã.

O reino da Prússia nasce em Janeiro de 1701, com Frederico III de Hohenzollern, príncipe Eleitor de Brandemburgo, que se tornaria Frederico I da Prussia. Aqui neste reino que surgiria Frederico II da Prussia, filho de Frederico I, que viria a ser uma lenda militar do século XVIII, o herói da Guerra dos Sete Anos(1756-1763). Neste conflito, a Prussia manteria a Silésia para si, frente a agressão dos austríacos, o que fariam o impossível para tomar posse dessa província. O reino da Prussia seria fundamental para a independência e a autonomia do estado alemão. Dali sairia um estadista que iria virar símbolo nacional. Um homem firme, que faria acordos, alianças e traições, entre franceses, prussianos e austríacos: Otto Von Bismarck! Defendia a unificação alemã pela força. Ele, assim como os Junkers, dizia que este processo deveria ser feito a ferro e sangue.

No início do século XIX, Napoleão Bonaparte acabou com o pouco que restava do Sacro Império Romano. Em 6 de agosto de 1806 o imperador da Áustria, Francisco I, renunciou ao trono do Sacro Império Romano Germânico, fundado por Oto I cerca de mil anos antes. Era a última consequência dos tratados de Luneville e de Presburgo, decorrentes um e outro das derrotas dos Habsburgos ante as ofensivas francesas de Napoleão. O Sacro Império, e o mapa da Alemanha, resultado dos tratados de Vestfália, já haviam sido amplamente modificados em seguida ao processo verbal imposto à Dieta germânica pelo Primeiro Cônsul francês, Napoleão Bonaparte, em 25 de fevereiro de 1803.

Entrevendo o desaparecimento iminente do Sacro Império, o imperador Francisco II de Habsburgo reagrupa os Estados hereditários da família Habsburgo-Lorena – os únicos sobre os quais mantinha uma autoridade real. Em 11 de agosto de 1804, se atribui oficialmente o título de Imperador da Áustria e Rei da Boêmia e da Hungria sob o nome de Francisco I.

Tomando consciência da existência real dessa nova conjuntura institucional, o imperador da Áustria Francisco I abole o velho título imperial, herança de Oto I. Sem perdurar também por muito tempo, o novo império da Áustria, essencialmente implantado na bacia do Danúbio, e em torno de Viena, conheceria belos tempos antes de desaparecer um século depois, como consequência do resultado da 1ª Guerra Mundial.

A unificação alemã começou como um fenômeno prussiano. Então nada mais natural que se mencione os conflitos daquele país no final do século XIX. Então o fenômeno alemão é, em primeira instância, prussiano. O reino da Prússia no final do século XIX era uma potência econômica e militar, mas não a altura de Áustria e França. Então, para crescer, precisava tirar esses dois do seu caminho.

Para realizar esse prodígio, ninguém melhor que o premier da Prússia, Otto Von Bismarck. Era um mestre da Realpolitik de Maquiavel. Com arrogância e violência, conseguiu defender a monarquia dos Hohenzollern contra os liberais e nacionalistas que queriam a unificação da nação alemã, para depois defendê-la com mãos de ferro. Em 1862 foi nomeado por Guilherme I da Prússia para os cargos de primeiro ministro e chanceler. Conseguiu acabar com o domínio austríaco sobre os estados do norte alemão, além de conseguir isolar a grande inimiga da Prússia, a França. Nisto resultou a unificação alemã. Em 1890 teve seu afastamento decretado pelo Kaiser Guilherme II, que exigiu a renúncia do grande Chanceler de Ferro.

Bismarck nunca superou ser descartado pelo jovem príncipe. Entre 1871 e 1914, na Europa não ocorreu nenhuma guerra importante. E boa parte disso se deve a Bismarck. Em 1918 o império alemão, erguido por Bismarck, estava em ruínas. Guilherme II foi para o exílio. E assumi a República de Weimar os maiores inimigos de Bismarck: Os socialistas! Por causa dessa mudança, os alemães acabaram se tornando bastante xenófobos, dando origem ao nazismo e ao Terceiro Reich, colocando a Alemanha na 2ª guerra em 1939.

No início do século XX, a Alemanha de Bismarck possuía vários inimigos, entre os quais ingleses e franceses. A conquista da Namíbia, na África, frustrou os planos ingleses de construir uma ferrovia que atravessasse o continente. E, obviamente, esses acordos imperialistas não seriam resolvidos numa mesa de negociação. Seria com explosivos, gases venenosos e tanques: A primeira guerra mundial! Para se ter uma ideia de como os alemães eram incômodos, basta ver a declaração de um jornal inglês do final do século XIX, em relação à Alemanha: "Se a Alemanha fosse extinta amanhã, depois de amanhã não haveria um só inglês no mundo que não fosse rico. Nações lutaram durante anos por uma cidade ou um direito à sucessão. Não deveríamos lutar por um comércio de 250 milhões de libras? A Inglaterra deve compreender que constitui sua mais grata esperança de prosperidade. A Alemanha deve ser destruída."

A 2ª guerra mundial foi continuação da anterior. Seguiram os rancores anteriores, principalmente devido a disputas coloniais, ou territoriais, como Alsácia e Lorena. Acrescido a isso, veio os regimes ditatoriais, anti comunistas, onde o capitalismo não estava plenamente desenvolvido. Países maduros economicamente, como França ou Império Britânico, não seriam seduzidos a isso.

Ao fim da segunda guerra, o Tratado de Potsdam dividiu a Alemanha em quatro zonas de influência: Reino Unido, França, EUA(formando a Alemanha Ocidental) e U.R.S.S.(formando a Alemanha Oriental). Era a época da Guerra Fria, termo cunhado pelo Premier do Reino Unido, Winston Churchill, para designar as tensões do pós-guerra.

A Alemanha iria se reerguer da destruição junto com o resto da Europa. Em 1986 o socialismo soviético dava sinais do fim. E, junto a ele, a separação das Alemanhas. As cidades Saarlouis e Eisenhüttenstadt celebram o primeiro convênio de cidades-irmãs entre as duas Alemanhas. Foram feitos acordos de ecologia internacional. O mundo estava mudando, e a Europa junto a ele. O pacto de Roma, em 1957, tratando de um comércio europeu unificado, estava começando a brotar.

Finalmente, em 9 de novembro, Harald Jäger, comandante da passagem de fronteira, cedeu, permitindo que os guardas abrissem os pontos de controle e deixando as pessoas passarem com pouca ou nenhuma verificação de identidade. Logo depois, uma multidão de berlinenses ocidentais pulou em cima do muro e logo se juntou a jovens da Alemanha Oriental. A noite de 9 de novembro de 1989 é conhecida como a noite em que o Muro caiu.Eu vi na TV ao vivo, na época. Lembro da emoção que foi.

A reunificação da Alemanha aconteceu em 3 de outubro de 1990, quando o território da antiga República Democrática da Alemanha (Alemanha Oriental) foi incorporado à República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental). A primeira-ministra do Reino Unido, Margareth Thatcher, nunca foi a favor desta reunificação. Sabia que isso produziria uma Alemanha forte. E, de fato, hoje a Alemanha é a âncora da Europa. Com empresas como BMW, Bayer, BioNTech, Faber-Castell e Volkswagen, a nação alemã vai longe. E, recentemente, com as pastas de economia e relações exteriores nas mãos de ecologistas de direita e esquerda, representará a perspectiva futura da humanidade.

Referências Bibliográficas

1. GRIMBERG,Carl. História Universal. Volumes 10 e 12. Publicações Europa América. Revista Semanário. Santiago, Chile. 1989
2.BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental. Volume II. Tradução: Lourival Gomes Machado, Lourdes Santos Machado, Leonel Vallandro. 21ª Edição. Editora Globo. Porto Alegre, RS. 1978.
3.LOUTH, Patrick. A Civilização dos Germanos e dos Vikings. Grandes Civilizações Desaparecidas.Otto Pierre editores. Rio de Janeiro, RJ. 1979.
4.BANFIELD, Susan. Grandes Líderes: CARLOS MAGNO. Nova Cultural. 1988.
5.JONATHAN, Rose. Grandes Líderes: BISMARCK. Nova Cultural. 1988.

Bismarck, em 1858

segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Supremo Tribunal Federal: Os 130 anos da corte da República

"O Direito acompanha a História. E esta, por sua vez, é um romance que aconteceu."
Milton Duarte Segurado

O Brasil nasceu através do ato de um magistrado. Frei Henrique Soares de Coimbra, que celebrou a primeira missa do Brasil, tinha sido desembargador da Casa de Suplicação de Lisboa, uma espécie de STF português do século XV. Por isso, nada mais justo que homenagearmos esses 130 anos da fundação do nosso Supremo Tribunal Federal, que nasce junto com a República brasileira, mas que tem seu embrião no judiciário português do primeiro frade rezador de missa no Brasil.

A fundação da nossa corte suprema é recente. A ideia nasce com a vinda da corte portuguesa para o Brasil em 1808. Até esta data, as causas se resolviam na Casa de Suplicação de Lisboa, já mencionada anteriormente. Neste ano, nasce a Casa de Suplicação do Brasil. Já que o Brasil seria, dali para frente, por causa das tropas napoleônicas, sede do governo português, então esta mudança também se faria necessária.

Com a constituição de 1824, de um Brasil independente, a nossa Corte de Suplicação se torna o STJ em 1829. Este não seria o nosso STJ atual, mas sim o embrião do que viria a ser o STF. Os juízes desta corte não tinham a mesma autonomia do nosso STF. Não podiam questionar as leis aprovadas pelo parlamento, se eram constitucionais ou não. Este poder não lhes foi dado. Eles seguiam o modelo de juízes legalistas da Revolução Francesa.

Em 28 de fevereiro de 1891 nasce o nosso querido Supremo Tribunal Federal, que passa a funcionar provisoriamente na Rua 1° de Março, número 42, no atual Centro Cultural da Justiça Eleitoral, no Rio de Janeiro. Vindo a partir de 1909 a mudar sua sede para a Avenida Rio Branco, número 241, na cidade do Rio de Janeiro, então capital federal. Hoje este local abriga o Centro Cultural da Justiça Federal.

Como o Brasil passou de um estado unitário para uma federação, o STF passou a atuar para resolver os litígios entre os estados. Então o STF passou a funcionar mais nos moldes da Suprema Corte dos EUA, do que nos moldes do Tribunal de Cassação francês. A partir daí, passa a ter poder de contestar atos do governo, ou do parlamento, quando estes estiverem em desacordo com a Constituição.

Em 1892, quando o então presidente Marechal Floriano Peixoto decretou estado de sítio, por causa de uma revolta, o jurista Ruy Barbosa entrou com um pedido de Habeas Corpus no STF, alegando arbitrariedade aos deportados para a Amazônia, e outros que foram presos. Então o presidente falou algo em ameaça à Corte Suprema: "Os ministros do STF podem conceder Habeas Corpus, mas quem concederá Habeas Corpus pela prisão de ministros do STF?" O Habeas Corpus foi negado por 10 votos contra 1. Na tentativa de assassinato do seu sucessor, Prudente de Morais, em 1897, este presidente também decretou estado de sítio, mas daí o STF, encabeçado pelo ministro Lúcio de Mendonça, concedeu Habeas Corpus, soltando vários parlamentares presos, que foram acusados da conspiração. Mas a crise continuou até o mandato de Campos Sales. A lição que ficou a partir daí foi que governos passam, mas o judiciário fica.

Com a transferência da capital para Brasília, é inaugurado o STF na praça dos Três Poderes. Uma obra arquitetônica do fantástico arquiteto Oscar Niemeyer, que desenhou os três prédios, Planalto, Congresso e STF, como num triângulo. Uma geometria perfeita em construção.

Em 1968, já em regime militar, o Habeas Corpus foi suspenso. O STF teve o seu número de juízes aumentado para 16, para contrapor aos juízes de esquerda que o ex-presidente João Goulart havia indicado. Era a velha política, querendo uma corte composta por aliados do governo. Três ministros foram aposentados compulsoriamente: Hermes Lima, Vitor Nunes Leal(este deu nome à biblioteca do STF) e Evandro Lins e Silva, que era o mais novo na corte. Com o AI-6, em fevereiro de 1969, o número de ministros do STF se reduz a 11 novamente. O objetivo foi somente retirar os ministros "esquerdistas" de cena. Percebe-se daí que as tentativas de golpe em cima do STF não pararam na época da primeira república. Eles persistem até hoje, tendo presidentes querendo ajustar a corte às suas ideologias.

Com a abertura política, e a Constituição de 1988, as tensões se abrandaram. Em 2002 se inaugurou a TV Justiça, com apresentação do ministro Marco Aurélio. Mas as mudanças não pararam por aí. Com a condenação, e a alta repercussão, do proprietário da Editora Revisão, Siegfried Ellwanger, de 71 anos, em 2004 pelo STF, as coisas não ficaram bem frente ao público. Daí que tomaram a decisão de que as reuniões em plenário seriam ao vivo. A partir deste o momento que o STF passou a entrar na esfera de debates dos brasileiros.

A partir desse momento, as decisões importantes(algumas polêmicas) começaram a se suceder uma a outra. Em maio de 2008 o STF decide a favor das células-tronco, em relação a lei de biossegurança. Em março de 2009 foi a vez de defender a demarcação da Reserva Florestal Raposa Terra do Sol. Em abril do mesmo ano torna a Lei de Imprensa, do regime militar, inconstitucional. Em maio de 2011 é decidido a favor da união estável homoafetiva, o que gera repercussão nacional. E, finalmente em junho de 2019, é decidido pela criminalização da homofobia, até que o congresso normatize a questão.

Por essa e outras histórias, vamos valorizar a nossa Suprema Corte. Embora dois ou três tenham repertório corrupto, a maioria é honesta. E, sinceramente, se enraivecer porque um ministro vota contra moral e bons costumes, não é para gente sábia. Há os que enlouquecem por várias causas. Eu só luto contra o que me afeta. E a favor de tudo que beneficie ao ser humano.

Eu deixo a frase do ex-ministro Ayres Brito, do STF, ao dar seu voto a favor da união estável homoafetiva em 2011: "Nós aqui concedemos um direito que não retira o direito de ninguém". Parabéns à nossa suprema corte.

domingo, 21 de novembro de 2021

Imunidade de rebanho: isso existe?

Sim, existe. E como se alcança? Com vacinação, o único tratamento preventivo de imunização que se conhece. Não existe outro que se possa tomar, antes de contrair o antigeno que invade o seu corpo. O que nunca existiu é a possibilidade de se alcançar uma imunidade de rebanho em massa, por contaminação com a doença, a fim de que os corpos produzam anticorpos para uma próxima infecção, e assim gere defesa corporal para toda uma população. Isso realmente não existe.

Tratamento precoce, como muitos chamam, também existe. São tratamentos que se tomam no início da doença. São antibióticos(para doenças de bactérias ou infecções virais que atraem bactérias), anti virais(como remdesivir ou paxlovid) para viroses em geral, anti parasitários(como nitazoxanida ou ivermectina) para vermes e outros parasitas e os fungicidas(remédios contra fungos, causadores de micoses). Todos esses tratamentos precoces têm o seu lugar, que é bom não serem trocados. Pois seria igual a certas pessoas que usam certos legumes, como cenouras ou pepinos, para apimentar suas relações sexuais. Cuidado, pois podes estragar suas genitais, ou então a salada de alguém.

Voltando à imunização, um caso que se pode citar como exemplo foi a gripe espanhola, cuja pandemia foi no início do século XX, há mais ou menos 100 anos atrás. Ela terminou do jeito que deveria terminar, para convencer aqueles que essa imunidade não existe: Com a morte! A única maneira que se adquiriu a tal imunidade foi o caixão: Quase 50 milhões de mortos em dois anos!!! Só para comparar, nesses dois anos de covid 19, tivemos pouco mais de 5 milhões de mortes no mundo, até agora. Isso porque a taxa de morte pelo sars cov 2 é baixa, cerca de 0,8%. O sars cov 1, que atacou a China em 2002(mas não saiu dela) era bem maior que isso.

Em regra é o seguinte: Toda pessoa que adquire um vírus, ou já é resistente a ele, ou não é. Se não for, e não for tratada com anti virais adequados, morre! Outras, que passam pela doença, se tratando ou não, e sobrevivem, o corpo(que já era resistente) desenvolve os tais anticorpos. A explicação disso é a seleção natural. Não existem pessoas que "se tornam resistentes". Existem as que são, e as que não são. As que não são, morrem! E foi isso que ocorreu na gripe espanhola. Portanto, para crer nesse "adquirir resistência por contágio", só os que morrerão como gado.

Uma explicação similar é o que ocorre com antibióticos e bactérias. Nenhuma bactéria se torna resistente ao antibiótico. O que acontece é que, quando tomamos muitos antibióticos, eles matam todas as não resistentes. E as resistentes(que sempre foram assim) se multiplicam e ocupam todo o espaço. Nenhuma bacteria sofre metamorfose e se torna resistente. Repito: Isso não existe! A única imunidade de rebanho que a natureza reconhece se chama MORTE!☠

Referências bibliográficas:

1)https://saude.abril.com.br/.../o-que-significa-a-tal-da.../
2)https://youtu.be/_xsDw6R8zgw
3)Revista Scientific American Brasil, São Paulo. Editora Segmento. Ano VII, n° 81. Fevereiro de 2009.
4)Junqueira&Carneiro. Histologia Básica: Texto&Atlas. 12 edição. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, 2013.

sábado, 23 de outubro de 2021

Dia do Aviador - História da aviação - 80 anos de Força Aérea Brasileira

"Não importa a tocaia da morte
Pois que a pátria, dos céus no altar
Sempre erguemos de ânimo forte
O holocausto da vida, a voar."

Hino do Aviador

Do que fala esta letra, que invoca o hino, sobre o aviador brasileiro? O exército brasileiro pode possuir aviões? Parece que não. Mas pertence ao exército a criação do Hino do Aviador em 1935. Este hino feito pelos oficiais ten. João Nascimento, da banda de música, e pelo então capitão aviador Armando Serra de Menezes. Ambos faziam parte do exército brasileiro.

Com a criação da FAB, há 80 anos atrás, o exército perdeu sua aviação militar. Mas desde 1986 que o exército pode possuir aeronaves de asa rotativa(helicópteros), com a recriação da aviação do exército pelo decreto 93.206/1986. O ano passado o presidente Jair Bolsonaro tentou o decreto 10.386/2020, para autorizar o exército a voltar a possuir aviões, mas voltou atrás, devido à pressão dos comandantes da FAB e da Marinha.

Este ano faz 80 anos da Força Aérea Brasileira. Esta data diz respeito à fundação do ministério da aeronáutica. E muitos não sabem, mas a nossa Força Aérea é mais antiga que a Força Aérea dos EUA, criada em 1947. O Brasil possui tradições de antiguidade que o próprio brasileiro desconhece. A história da aviação brasileira antecede a invenção do avião, no início do século XX. Esta experiência de "guerra nos ares" nasceu com o exército brasileiro durante a Guerra do Paraguai(1865-1870), quando o então Duque de Caxias usou balões vindos dos EUA, para colher informações sobre o terreno paraguaio, visando os combates.

Na década de 30, muitos acontecimentos da FAB também tiveram origem no exército brasileiro. No dia 12 de junho de 1931, os oficiais Casimiro Montenegro Filho e Nelson Freire Lavenere-Wanderley deram início ao Correio Aéreo Militar do Exército, num voo de ponte Rio-São Paulo. Nascia ali o Correio Aéreo Nacional(CAN), como seria chamado a partir de 1941.

Formalmente o ministério da Aeronáutica foi criado em 20 de janeiro de 1941, então chamado de Forças Aéreas Nacionais, depois mudado para Força Aérea Brasileira pelo decreto 3302 de 22 de maio de 1941. E teve o senador Salgado Filho como 1° ministro da Aeronáutica. Com este decreto, foram extintas as forças aéreas da Marinha e do Exército, legando à nascida FAB a herança de 430 aviões de mais de 30 modelos diferentes. Mas a maioria era tudo sucata. Isto fez o Brasil adquirir novas aeronaves dos EUA, mediante acordos de empréstimo e arrendamento, como os primeiros Curtiss P-36 Hawk, chegando ao Brasil em 1942. Finalmente, após a Segunda Guerra, o Brasil adquiriu aviões Gloster Meteor da RAF(Força Aérea Real) do Reino Unido. E estas aeronaves lhe custaram 15.000 toneladas de algodão bruto, já que o Brasil não possuía dinheiro em caixa para tal compra. E fez bem, pois a Força Aérea do Reino Unido é a mais antiga Força Aérea independente do mundo. Dali para frente muitas coisas iriam mudar.

Na década de 60 a FAB já se impunha como força de respeitabilidade mundial, como na então chamada Guerra da Lagosta(1961-1963), em que não foi disparado um só tiro, mas teve um bombardeiro B-17 do Brasil fazendo voo de alerta para o navio de guerra francês Tartu(D636), como aviso a barcos pesqueiros franceses, para que não mais capturassem lagostas em nosso litoral. E como não lembrar do dia 3 de junho de 1982, durante a Guerra das Malvinas, quando um bombardeiro Avro Vulcan da Força Aérea Real Britânica(RAF) pousou no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, escoltado por dois caças F-5E Tiger II da Força Aérea Brasileira? Eu lembro, pois tinha 10 anos na época, em que tal aeronave passou, literalmente, por cima da minha cabeça.

Desde então a FAB tem sido vista como um corpo separado, assim como é até hoje. De pouco a pouco as coisas vêm mudando. O decreto 6.703/2008, do então presidente Luís Inácio Lula da Silva, criava a Estratégia Nacional de Defesa, onde muito seria investido na modernidade da FAB. Recentemente se fez a comemoração do início do projeto ítalo-brasileiro para a criação do AMX A-1, aeronave que tive o prazer de visitar em 1987, durante uma visita ao Museu Aeroespacial do Campo dos Afonsos(MUSAL). Este museu é o maior museu Aeroespacial da América Latina. Além disso, também tínhamos o museu da TAM, em São Carlos(SP), criado em 2006, mas infelizmente desativado desde 2016, em que foi o maior museu Aeroespacial, mantido por uma empresa privada, do mundo.

A nossa aviação, ao contrário do que se pensa, tem história de guerra e tradição. A Força Aérea Brasileira tem por seu patrono o Brigadeiro Eduardo Gomes, que antes tinha sido oficial do exército brasileiro, também tendo participado da Revolução tenentista em 1922, no Rio de janeiro. Lembro também do meu velho pai, que fazia parte do 1º/1º GT(1º esquadrão do 1º Grupo de Transportes), voando no bom e velho "gordo", o KC-130, hoje aposentado. A Força Aérea Brasileira representa as asas que protegem, e modernizam, o nosso país.

Hércules KC-130 na base de Punta Arenas, no Chile. Parada intermediária para se chegar até a Antártida.

Referências Bibliográficas

1. https://www.aereo.jor.br/2021/06/03/ha-39-anos-durante-a-guerra-das-malvinas-falklands-um-bombardeiro-avro-vulcan-da-raf-pousava-no-rio-de-janeiro-escoltado-por-dois-f-5e-da-fab/
2.https://www.edrotacultural.com.br/exercito-pode-ter-avioes-o-exercito-criou-o-hino-dos-aviadores/
3.https://www.fab.mil.br/80Anos/
4.https://www2.fab.mil.br/musal/
5.https://en.wikipedia.org/wiki/Royal_Air_Force